foto: Laura Campanér

Duo Flauta e Harpa

Publicado: novembro 1, 2016
Os mistérios do som da Flauta e Harpa

por Laura Campanér

laura.campaner@bol.com.br

Sabe quando você quer descrever alguma coisa em palavras e não encontra nenhuma apropriada? Nenhuma que de possa dar a dimensão exata do que se quer dizer?

Assim é a tentativa de falar sobre o som do Duo Flauta e Harpa formado pelas instrumentistas Mônica Camargo (flauta) e Rafaela Lopes (harpa).

duo_flauta_harpa_foto_laura_campaner_7

foto: Laura Campanér

Numa sonoridade singular o duo Flauta e Harpa interpreta um repertório de obras originalmente escritas para esta formação e algumas transcrições de autores brasileiros e mestres da música internacional.

Nos mistérios que o som provoca em nossa audição, as músicas nos transportam para um estado contemplativo, cheio de imagens mentais que a sonoridade da harpa desperta em seus arpejos virtuosos e no sopro puro e doce da melodia na flauta, que as instrumentistas conseguem tirar em sua execução.

Entre os destaques do repertório, que repercutem em aplausos entusiasmados do público, estão Oblivion (Astor Piazzolla), Arabesque no. 1 (Claude Debussy), O Canto do Cisne Negro (Villa Lobos),  Quem Sabe (Carlos Gomes) e Cinco Miniaturas (Villani Côrtes).

Atuando juntas desde 2009, quando as instrumentistas se conheceram por ocasião da montagem do musical A Bela e a Fera que ficou por um tempo em cartaz em São Paulo, Mônica Camargo e Rafaela Lopes trazem para o palco um profundo conhecimento musical e beleza interpretativa, depurados de sua formação e de sua atuação no cenário paulistano.

Saiba mais:

Mônica Camargo – Estudou com Renato Axelhud, Jean-Nöel Saghaard e  Mauricio Florence na Escola Municipal de Música de São Paulo e na Faculdade de Artes Alcântara Machado. Participou dos festivais de Campos do Jordão, Tatuí-SP, Mendoza (Argentina) e do Julius Baker Masterclass, New England (EUA). Foi durante 20 anos flautista da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo, dos musicais A Bela e a Fera, O Fantasma da Ópera e Miss Saigon. É primeira flauta solista da Orquestra Sinfônica de Santo André. Participou como primeira flauta do musical O Médico e o Monstro, na montagem de São Paulo.

Rafaela Lopes – Graduou-se na Escola de Música da UFRJ sob a orientação de Wanda Eichbauer. Participou de diversos festivais, tendo aulas com Marisela Gonzalez, Liuba Klevtzova, Helga Storck, Silvia Braga, Silas Lima, Cristina Braga e Marcelo Penido. Como harpista convidada, já atuou junto às principais orquestras do país, sob a regência de Isaac Karabtchevsky, Roberto Duarte, Ligia Amadio, Karl Martin, Kurt Masur e outros maestros renomados. Como solista, estreou a obra de Ernst Mahle, “La Harpe Enchantée”, no Teatro Municipal do Rio de Janeiro e no Festival Internacional de Verão de Brasília, onde obteve grande sucesso de crítica. Atualmente é harpista solista do Teatro São Pedro, em São Paulo.

Assista o duo Flauta e Harpa:

O canto do cisne negro (Villa Lobos)